05/12/2011

Decadência

O Rock surgiu há quanto tempo, pessoal? Quando ele fora reverenciado no Festival de Woodstock? Quando foi popularizado pela Invasão Britânica? Quando o dançarino, instrumentista, cantor, ator, modelo e pedreiro Elvis calçava seus sapatos de camurça azul? Ou antes, quando um bando de pretos tocava em bailinhos nos anos 50? (os haters já podem me acusar de racismo, ueba!) O Rock tem muitos pais e filhos, com cada subgênero aparecendo em sua determinada época, e terminando para dar lugar à próxima "moda". O Rock acabava, das cinzas renascia e se reinventava, vivendo para nós novamente e morrendo novamente, num ciclo infinito de construção/destruição. Respeitando a premissa do filósofo grego Anaxágoras, o Rock não foi criado, foi transformado desde o começo.

Entretanto, muitas pessoas não entendem ou nem sequer pensaram nesse conceito de construção e destruição que o Rock passou (e passa até hoje), se limitando a pensar que um movimento, banda ou qualquer coisa relacionada a isso, ou morre, ou nasce, sem ter essa ideia de continuidade.

Este autor já pode ter falado muitas vezes que o Rock morreu fisicamente, mas está vivo em espírito, e ele não modifica sua ideia. Ele só acrescenta (ou explicita uma ideia mal-explicada outrora) uma coisa: que o Rock se transformou no cenário que temos hoje, carregado de blasfêmias, deturpações, avarias e atrocidades (você sabe, Emocore, Alternativo, Industrial, Metalcore...). Com isso o amante do Rock/Metal tradicional não terá pra onde correr e fugir, e sua única escolha será continuar refugiado nas bandas e movimentos que surgiram nas quatro décadas de puro Rock - desde a década de 50 até 90, fazendo uma estimativa geral. Em outros termos, um amante do Rock puro viverá ouvindo velharias ou bandas que imitem velharias pra sempre. Isso pode parecer um tanto triste, mas qualquer pessoa pode simplesmente abrir a mente e os ouvidos para novos horizontes e deixar de ouvir sempre as mesmas coisas. Por que não? É só ter um pouco de boa vontade e coragem.

Pois bem, essas duas virtudes estão um tanto faltosas entre os fãs dos seus gêneros queridos. Quando este autor fez o artigo "Fenômenos musicais: fãs/posers" ele não se limitou a falar de fãs de música Pop, mas apontou qualquer tipo de fã. Todo fã é uma praga por ser fanático e extremista em suas ideias. Mas a característica que impera nos fanáticos do Rock/Metal é a contradição (que nem a foto ao lado).

E num belo dia, um maldito fã percebeu que o Rock e Metal não estavam sendo propagados pelas TVs e rádios, ganhando prêmios ou ficando no topo das paradas de música. Com isso ele concluiu que o Rock/Metal morreram ou estão em decadência, sem pensar por um instante que não é porque a Mídia deixa de mostrar um estilo musical que ele está necessariamente morto. Mas essa ideia foi sendo passada pra frente e as pessoas acabaram acreditando nessa mentira, seguindo a frase de Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista de Hitler: "Uma mentira contada mil vezes torna-se verdade". De repente os fãs passaram a desprezar tudo que tivesse cheiro de velho: bandas velhas, bandas novas que seguiam fórmulas das bandas velhas, até álbuns novos de bandas velhas.

E pra fugir dessa velharia, surgiu o conceito de que as bandas devem inovar e arriscar coisas novas, apostando em experimentações, novas sonoridades e influências, tanto para variar quanto para mudarem a fórmula que as consagrou, pois já está batida, gasta, morta e enterrada há muuuuito tempo, mais especificamente desde o momento que o headbanger teve essa ideia de inovação.

Passou-se a desprezar desde um disco novo de uma banda que há anos não lançava nada, a uma banda que nasceu com uma proposta de misturar influências antigas e incorporá-las em suas sonoridade. Vamos dar 3 exemplos disso:



Airbourne, banda de Hard Rock nova que é como uma irmã gêmea do AC/DC. Os chatos criticam a banda por ela não ser mais do que uma banda de Hard Rock, igual às outras, desconsiderando seu espírito contagiante e empolgante.



UnSun, uma banda também nova de Symphonic Metal, ligeiramente desconhecida, mas com potencial, que segundo os haters, repete as conhecidas fórmulas e padrões redundantes do Metal Sinfônico.



O mais recente caso é com Megadeth, que retomou seu estilo consagrado há anos, mas que para os haters, não sai de seu terreno conservador, não ousa, não tem novidade, não tem nada de especial que valha a pena uma audição.




Estes são só alguns dos vários exemplos que fazem os haters reclamarem. Talvez seja um tanto difícil pra eles entenderem o quanto eles estão sendo exigentes ao querer que o Rock/Metal inove, pois se ele inovar, ou continuará com sua forma original apesar das influências novas, ou não será mais Rock nem Metal, mas um desses arremedos de Rock que tocam por aí arrebanhando um monte de hereges e mal-encaminhados. Então não seria bom que as bandas continuassem a ser espontâneas, naturais, sem firulas, enfeites, influências diferentes, exageros, tudo isso para continuar fazendo o que fazem de melhor? Rock puro e simples, pra que pedir mais? Isso só mostra que, quem reclama de uma banda ser simplesmente ela mesma, já está deveras enjoado, incomodado e irritado com tudo que ouve.

Mas o que esse headbanger frustrado faz, além de reclamar das bandas que não inovam? Ele reclama das bandas que inovam também! Acredita?




Reclama do Iron Maiden que adotou uma sonoridade Progressiva com o passar do tempo, mesmo que não tenha perdido a qualidade de sempre;



Reclama do Angra que também inovou adicionando técnica e melodia ao seu Power Metal, representado por uma voz essencialmente grave que NÃO É A DE ANDRE MATOS;




Reclama do Nightwish que simplesmente e tão somente NÃO TEM MAIS A TARJA TURUNEN NA BANDA!





É incrível como uma pessoa reclame de duas coisas opostas ao mesmo tempo, bandas que inovam e que não inovam! Afinal, o que ela quer?

A. Quer que uma banda repita sua fórmula pra sempre?
B. Quer que uma banda inove?
C. Quer apenas reclamar?
Resposta correta: C: ela só quer reclamar.

Que porra aconteceu com essa geração antiga (ou que se diz antiga) que de repente de cansou de Rock puro? Em vez de saudá-lo nesses tempos difíceis em que ele é desprezado, deviam no mínimo respeitar as bandas que não inovam e mantém o Espírito do Rock vivo! É isso ou se render às aberrações de hoje, que são as que dizem que inovam:



Se algo está decadente, certamente não é o Rock ou o Metal (não importam o subgêneros), mas sim a cabeça dos próprios fãs do estilo que são muito indecisos, não sabem se querem velhos ou novos tempos. E este autor não vê um motivo válido que faça o mínimo de sentido para terem essa indecisão. Mas talvez seja o tradicionalismo unido ao cansaço e ao tédio de uma mente que há anos só ouve as mesmas coisas... Ela não passaria por isso se fizesse um favor a si mesmo e abrisse a mente.

Existe tanta banda que "inova" e tantas que são diferentes de Rock e Metal... "Nossa, existe um mundo além disso?" Pior que existe, amigo. E não é feito de Pagode, Funk Carioca, Axé, Sertanejo Universiotário, Nu Metal, nem essas coisas que te fazem ter desejos suicidas. Há sempre uma alternativa, um outro caminho a escolher. Algumas vezes ele não está tão na cara, o que faz a gente pensar que está num beco sem saída. A chave para resolver isso é abrir a mente.

***
E você vai continuar ouvindo essas coisas que não inovam, coisas que são diferentes do que você já está acostumado, ou o que? Então já que você está aqui, aproveite para ouvir esse coiso abaixo, é uma banda que tem a voz diferente do usual. E adeusmetal pra você.

11/11/2011

A morte está ao seu lado

O anjo aguarda para te levar ao além e conta os minutos para sua morte, o apodrecer da sua carne e enegrecimento da sua visão, que te faz enxergar as coisas a sua volta mortas também. É uma sensação que te acompanha, não importa o quanto você tente escapar dela, não importa o que você faça e o quão árduo seja o esforço para evitá-la. É com essa introdução fúnebre e pesada que o artigo começa, falando de morte, mais especificamente da morte do Rock/Metal, e com um foco especial na declaração de Edu Falaschi, vocalista do Angra e Almah, e atual apoiador da ideia de Thiago Bianchi sobre a morte do Metal nacional.

É o seguinte, o Rock e Metal estão mortos. Nosso deus-mor também está morto. E suas mortes são determinadas a partir de um único fato: a falta de divulgação desses estilos, que não faz a geração viver ou conhecer a fundo seus significados reais, o que gera conceitos errôneos, preconceitos, banalização, desprezo, etc. Tal fenômeno não acontece apenas com o Rock/Metal, mas com outros estilos musicais mais velhos, que são passados pra trás pelos estilos mais novos, que também são rapidamente esquecidos.

Por que isso acontece? Porque estamos vivendo na Era da Desinformação, onde as informações são dadas rapidamente, sem controle e sem parar, vindas de todos os lugares possíveis. A mente fica sobrecarregada e cansada por ter que assimilar tanta coisa ao mesmo tempo e não consegue entender nada profundamente, não consegue absorver todo o conhecimento recebido e só consegue ter visões e conceitos superficiais sobre tudo. Ao mesmo tempo que a mente não consegue lidar com tanta informação, as mesmas chegam rápido e vão rápido. Tecnologias, conceitos, técnicas, tudo morre para dar lugar ao novo, que daqui a uma semana já será velho e será substituído também, continuando com ciclo de informação desenfreada. Esta é a era em que pessoas não conseguem lidar com o que têm, e tentam se adaptar o máximo possível ao monstro que elas mesmas criaram.

Isso se reflete na maneira que as pessoas se apegam as coisas. Tomemos como exemplo o Rock, o estilo morto. Não se vê mais o amor pelo estilo que havia outrora, gente veste camisas de bandas apenas para aparecer, pessoas compram CDs e outras obras artísticas apenas se forem MUITO fãs, estilos morrem enquanto outros nascem do seu cadáver já com sua figura deturpada, e a antiga rebeldia e transgressão que caracterizavam o gênero já não existe mais. E todos aqueles que sentem essas coisas decidem por, ou desistir do Rock por acharem que já contribuiram bastante com ele, ou se dedicam a ele até as últimas consequências. Como dito no parágrafo anterior, a relação das pessoas com o Rock é adaptada a realidade atual, e por isso é frágil e delicada. A realidade é uma só: de Rock só resta o espírito que se abriga em todos aqueles que o guardam em si, pois seus anos dourados já passaram.

É esta morte que muita gente e também artistas sentem, especialmente no Brasil que tem tantas culturas e influências mescladas, deixando nosso estilo sacrossanto mais difícil de ser louvado. Há alguns meses, o vocalista da banda Shaman Thiago Bianchi decidiu dar sua opinião sobre esse fato e apresentou uma proposta audaciosa de instaurar o Dia do Heavy Metal Brasileiro, com o objetivo de divulgá-lo e fazer as pessoas se interessarem mais pelo gênero, e também sustentar as bandas que já sentem seu bolso doer. E mais recentemente, Edu Falaschi também entrou no time de Bianchi na luta a favor do Metal brazuca, quando fez um show no Carioca Club em São Paulo no festival Dia do Metal. Depois que ele viu o número escasso de pessoas que compareceram ao evento, Edu aproveitou que a Rock Express estava o entrevistando e desabafou:


Tanto Thiago quanto Edu colocam a culpa do Metal nacional não ser louvado no público - aliás, num tipo específico de público, que é o que prefere prestigiar bandas internacionais ou que simplesmente não mostra o amor necessário que a banda precisa (leia-se comprando seus CDs, indo a shows, etc).

Sim, existem brasileiros que só dão valor ao internacional... mais especificamente que têm Complexo de Vira-Lata, que é quando a pessoa se sente desprezível, indigente, um saco de merda fedido e digna de pena; e que por isso começa a admirar países que são mais "desenvolvidos", onde tem gente feliz e contente. Assim a pessoa começa a endeusar tais países e deteriorar sua própria imagem e seu próprio país para pagar pau para os outros, como disse Edu no vídeo. Que imagem épica essa do lado!

Mas como dito em outras páginas internéticas (Collector's Room e Whiplash!), o buraco é bem mais embaixo, e não se restringe apenas aos que não vão aos shows de bandas nacionais porque preferem as gringas... Há os que simplesmente não tem dinheiro para ir em todos os shows que quiser e estabelecem para si suas melhores escolhas; há os que são desinteressados no artista a ponto de gostar dele apenas superficialmente; os que não curtem apenas Metal, mas outros gêneros; os que só compram CDs e não vão a shows, entre muitos outros exemplos específicos. E ainda temos a falta da divulgação que as próprias bandas fazem de si mesmas - o que faz elas serem apagadas aos olhos de todos; a tecnologia que está substituindo cada vez mais as obras fonográficas antigas; o interesse pelo que é mais acessível... Tudo isso mostra que vários fatores estão envolvidos nessa questão, e tratá-la de modo tão superficial é tirar uma conclusão tão simplista quanto "O Metal nacional tá morrendo porque o povo só gosta de gringo".

A morte do Rock/Metal tem seus muitos fatores, todos bem conhecidos por nós. E nós somos os sobreviventes ou guardadores dos rituais de uma seita/religião quase extinta no mundo por causa da nossa querida religião rival - Igreja Universal Iniciática Pop, e guardamos e passamos nossas crenças a frente através do tempo para que ela não pereça. Com isso mantemos o Rock vivo, não fisicamente, mas espiritualmente. E isto já é o bastante para termos nosso querido gênero musical como algo vivente que passará por gerações, mesmo que sem sua forma original. Assim, a morte do Rock é apenas uma questão de opinião e interpretação, pois se ele foi marcante o bastante para ser lembrado em vida até hoje, ele não está morto. E enquanto houver alguém com um áudio fodido de uma banda que usava guitarra, bateria, baixo e voz estranha que tocava na década de 70 ou algo assim, a memória do Rock não perecerá, nem seu filho Metal morrerão, não importa a realidade que estivermos. O Rock nunca vai morrer.

***
Hoje, 11 do 11 de 11 o Black Sabbath anunciou que vai voltar a ativa com obras inéditas. Um milagre aconteceu, uma banda morta ressuscitou. Como dito antes, a morte é só um detalhe. Um detalhe no meio de um ciclo. They live, they die, then they born again, eternally.

03/11/2011

Le tirinha

Sabe quando você está doente, desanimado, cansado, com rosto amassado, olheiras, sem disposição pra nada e ainda assim tem uma vontade de postar algo na Bíblia? ... só este autor passa por isso. Então contentem-se com isso por enquanto.

Tinha que colocar o 2pac? Tsc tsc tsc...

28/10/2011

Árvore genealógica do Angra

Várias bandas como o Angra tem sua história por um troca-troca de integrantes muito chato de acompanhar, até porque tais integrantes são originários de outras bandas, que se saem, fazem outras, etc. Este autor que vos fala tentou fazer um resumão dessa história numa árvore genealógica. Se entenderem alguma coisa, sorte de vocês.

Se preferirem clicar na imagem pra visualizar melhor, vão em frente.

16/10/2011

Outro plágio!

Gente sem criatividade pra fazer um trabalho próprio que copia conteúdo dos outros existem aos montes, e isso é até permitido. MAS quando tal trabalho é copiado sem mostrar os créditos é ilegal. A pessoa fica de mentirosa e dá atestado de burrice, além de dar dor de cabeça ao plagiado (este autor que vos fala está calminho, mas enfim).

O falsário da vez é o blog A Razão do Metaleiro, que tem vários autores que postam conteúdos de outros sites, quase nunca é próprio. E a Bíblia não está fora disso, o brog tem entre seus principais artigos plagiados: "O Rock Brasileiro que a Mídia não mostrou", "Satanismo, ocultismo e algumas lendas", "Pirataria é pirataria?", "Como usar rótulos (versão true)", além de vários outros artigos. Cada palavra leva a um! E a Van do Halen também não ficou de fora!

Como de costume, a Bíblia tem uma política de 2 chances de redenção: na primeira, este autor avisa o plagiado sobre a infração. Na segunda, ele faz um artigo especial sobre o fato (chegamos ao segundo strike). Se o infrator não se redime depois de tudo, ele é exterminado pelo Deus Google. E como o pecador pode se redimir? De duas formas: ou cita a fonte dos artigos ou os tira do ar. Simples não?

E não deixem de avisar a este profeta sobre sua palavra ser reproduzida por falsos profetas, que ele aplicará a extrema unção de Odin nos pecadores. Boa sorte ao(s) plagiador(es) e que eles se redimam. Adeusmetal \m/

Lady GaGa ainda copiou o Queen, mas como ela é amiguinha do Brian May, este nem fala nada. Tsc, tsc, tsc...

03/09/2011

Suposta epístola de Deus Metal a Eddie Trunk

Há um tempo este profeta que vos fala revelou coisas sobre o atual estado de Odin e do panteão nórdico após o Ragnarök de 94. Odin nos observa mesmo não podendo interferir em Midgard, já que está em Helheim e por isso não possui poder para tal. Mas, pelo que consta no site From Out To Nowhere, ele não só nos vê como também pode sim fazer coisas em Midgard: no dia 31 de agosto, o site publicou uma carta pública de Deus Metal dirigida diretamente a Eddie Trunk, o apresentador do programa The Metal Show. Veja-a na íntegra:

"Caro Eddie,

Você pode ter notado no decorrer das últimas semanas que o gênero de música que você cobre e a área geográfica na qual você reside foram impactadas por tragédia e desastres naturais. Eu estou escrevendo essa carta para informar-lhe que esses atos de deus foram perpetuador por mim, o primeiro, o único Deus Metal porque eu não aguento mais seu ego inflado e sua contínua autopromoção. No dia 24 de Agosto de 2011, você tweetou, "Sou citado no obituário de Jani Lane na Rolling Stone com os Chilli Peppers na capa. Ele estará no That Metal Show na noite de sábado." PT Barnum segue você no Twitter aqui no Céu e até ele disse, "Você só pode estar de brincadeira comigo!". Suas contínuas ações para se autopromover me deixaram sem opção a não ser desencadear a fúria do furacão Irene sobre a casa de Sebastian Bach.

Pra ser claro, Eddie, eu não acho que você seja um mau sujeito. O rádio é um ramo difícil e você se saiu bem nele e se fez vencedor para um gênero de música que é por diversas vezes subestimado ou ignorado. Mas você também é meio trouxa. Você de fato acredita que Coney Hatch é uma das melhores bandas da história do Canadá? Todo mundo sabe que o Canadá NUNCA produziu uma banda decente. Mas essa carta não tem nada a ver com suas questionáveis posições e apoio a bandas medíocres ou piores. Todos nós temos prazeres culpados e parece que o Coney Hatch é um dos seus (eu, particularmente, curto RIOT).

Não, Eddie, eu estou escrevendo isso porque você tem um desejo patológico de ser o centro das atenções não importa qual seja a história. Ronnie James Dio morre «ele te manda um salve, a propósito. Ele teria feito isso, mas está matando dragões e caçando arcos-íris. Você sabe como é aquele Ronnie!» e você posta textos e faz programas que levam a discussões sobre como Ronnie gostava de você e quanto você sentiu a morte de Ronnie. Jani Lane morre e você já tweeta que você foi mencionado no obituário do cara em uma revista. Daí você promove seu livro no seu programa dizendo que foi Rob Halford, que através de seus cinco mil tweets a respeito, já entendi que foi ele – que usou meu nome em vão como ‘Metal God’ no plano mortal- quem escreveu o prefácio. Infelizmente, Eddie, esse tipo de promoção não é boa o suficiente pra você, é?

Daí no mesmo dia que você Tweetou que você tinha sido mencionado num obituário numa revista (primeira vez que algo assim rolou no Twitter, acredito eu), você também tweetou “podemos, por favor, enterrar o termo ‘hair band’. É o termo que as pessoas usavam para referir-se a quase todas as bandas dos anos 80. Não é um elogio às bandas ou à cena delas.” Você está falando sério, Eddie? O site pro qual essa carta foi feita tinha mais acessos às 5 da manhã do que todas aquelas bandas tiveram juntas desde 1991. Quando você diz ‘Motown’ você logo pensa em The Temptations, Four Tops, Marvin Gaye e todos os outros grupos que gravaram praquela gravadora e o som prontamente identificável naqueles grandes discos. O The Cars é rotulado como New Wave, mas além de sintetizadores e gravatas finas, eles eram mesmo New Wave? Ric Ocasek reclamou disso? E quanto a Dixieland, Jazz, Rockabilly, Southern Rock, Skater Punk ou todo outro rótulo usado para descrever uma banda e seu som? Hair Metal ou bandas de Hair Metal funciona como um termo descritivo porque todo mundo sabe a respeito de que tipo de banda você está falando quando você o invoca. As bandas tinham aparência similar e muitos sons similares. Algumas eram boas, algumas eram ruins pra cacete e a maioria era simplesmente medíocre ou esquecível, na melhor das perspectivas. O fato de que você está lutando contra algo que você considera um rótulo depreciativo 20 anos depois da maioria dos ouvintes de música ter perdido interesse nisso é meio patético e hipócrita, Eddie, ainda mais quando consideramos que você trabalha e recebe um cheque da Sirius-XM, que transmite uma estação de rádio chamada ‘Hair Nation’. A pasta de dente saiu do tubo, Eddie. Boa sorte lutando contra moinhos de vento e tentando colocar a pasta de volta pra dentro agora.

Então, concluindo, Eddie, eu quero gostar mais de você, sério, eu quero. Mas você me deixa nervoso e eu faço coisas estranhas quando estou bravo. Seu ego inchado me fez trazer Jani Lane para casa. Quando você atraiu atenção para si própria, eu fui forçado a causar um terremoto na costa leste dos EUA na esperança que ele lhe traria de volta à realidade. Quando isso não surtiu efeito, eu não tive escolha a não ser inundar a casa de Sebastian Bach. Divulgue seus programas e seu livro, Eddie. Promova as bandas que você gosta, mas não quero nem pensar se você mandar mais um Tweet divulgando que você foi citado em um obituário ou retweetar um elogio de um fã – eu vou lançar minha fúria sobre Kip Winger, Scott Ian e todos os ex e atuais membros do seu amado UFO. Você trabalha bem, Eddie. Só pare de ser um mala sobre isso.

Honestamente,

O Deus Metal

PS: O incêndio na (casa noturna) The Station? Fui eu. Eu sempre achei que Jack Russel do Great White era um cuzão."


Este autor acredita que essa carta se trata de um fake, já que Odin já revelou que não pode interferir em Midgard, pelo menos por enquanto.

Todavia, este autor achou importante publicar a carta, já que assim ele pode enrolá-los pra escrever artigos importantes de verdade é um bom exemplo de coisas mundanas que podem confundir a mente dos fieis desavisados. Por isso, mantenham a fé fortalecida, e não se deixem enganar pelas coisas que não sejam divinas.

E assistam The Metal Show, mesmo este autor nunca tendo visto o programa, mas deve ser bom porque o "A" do logotipo tem o formato da Triforce da série de jogos da Zelda! =P

27/08/2011

ATITUDE!!!

ATITUDE!!! Essa palavra é muito comentada, falada, proferida ou atribuída a artistas do mundo da Música. Tanto rockers como hereges podem ter essa tal ATITUDE!!!, mas na verdade ninguém sabe o que isso realmente significa. Tocado pela sede de saber e pelo ócio que lhe acompanha, este autor tentou traçar sentidos para esta palavra.

Logo de início podemos nos conformar que quebrar uma guitarra num show, bagunçar o quarto de hotel que está hospedado, jogar um carro na piscina ou comer várias groupies são sintomas de ATITUDE!!!, mas também podem ser apenas sintomas de gente que segue o Estilo de Vida Rock and Roll, que dá o foda-se a tudo e só quer se divertir.

Mas, ATITUDE!!! também pode ser desafiar as autoridades que regem o Sistema, como as grandes companhias, o governo, a religião, a Mídia, etc. Mas isso também pode ser chamado apenas de "lutar pela justiça merecida". Afinal, ninguém que reclama da Vevo ter monopolizado o YouTube pode ser chamado de pessoa de ATITUDE!!!, todo mundo faz isso!

Outro significado possível é de que quer dizer desobedecer as leis impostas e fazer coisas não-convencionais ou proibidas. Assim podemos dizer que bandas independentes que fazem letras de protesto tem ATITUDE!!!, já que não obedecem ao estigma que banda tem que ser empresariada pra fazer sucesso, e também fala verdades inconvenientes sobre o alvo que atacam. O problema é que esse significado pode ser banalizado a ponto de considerarmos uma patricinha mimada uma pessoa dotada de tal qualidade. Uma pessoa que desobedece os pais e gasta o cartão de crédito deles pra comprar roupas caras, vive à custa deles pra sobreviver ao invés de arrumar um emprego, e dorme tarde porque fica na balada até três da manhã pode ser características de uma pessoa que tem ATITUDE!!! Por que não?

A única coisa que sabemos é que tanto rockers quanto artistas Pop vem se engrandecendo com esse adjetivo em caps lock, e adorados por jovens influenciáveis que querem imitá-los de todo jeito, achando que vão ter este adjetivo também. Pensando nisso, este autor vai pegar exemplos na Música Pop e traçar um padrão ou perfil pra saber o que faz cada um ter o tal adjetivo.

Esta ao lado é... ah, você sabe. Dizem que Britney Spears tem ATITUDE!!! por ter sido uma ninfeta de 16 anos na Música Pop e ter assustado os pais de família com tamanha precocidade e libertinagem com essa idade. Também na fase "Britney", a homônima se mostrou uma putinha mulher madura e crescida, e a partir daí foi colher os frutos de suas imprecações. Até topar com Kevin Federline, se separar e cair na bebida pra esquecer o ex com Paris Hilton e Lindsay Lohan, fase que mostrou seu estilo de vida Rock and Roll (LOL), quando foi flagrada sem calcinha em festinhas inúmeras vezes, além de mostrar seu ligeiro descontentamento com paparazzis dando-lhes guarda-chuvadas. Depois vai pra reabilitação e volta como uma fênix e com uma pança avantajada na fase "Blackout", onde vemos sua barriga encolher e a Britney voltar a ser a mesma de sempre, e a partir daí com "Circus" e agora "Femme Fatalle" para receber seu adjetivo de mulher de ATITUDE!!! por ter feito tudo isso.

Mas tudo isso o que, exatamente? Este foi um exemplo de Atitude de Puta. Além de Britney, outras como Christina Aguilera, Jennifer Lopez, Shakira, Mariah Carey, Beyoncé, Katy Perry... daqui a pouco este autor vai fazer uma lista de todas as cantoras pop atuais.

O mundo da Música também tem outro segmento para ATITUDE!!!, que é a Atitude de Rebelde. Podemos ver isto no clipe abaixo da cantora P!nk.


Vejam, ela atrapalha o trânsito por nada, quebra uma guitarra que nem comprou ainda, corta uma árvore destruindo a cerca do vizinho, ataca um carro de recém-casados, tira a roupa em frente aos fotógrafos, queima o cabelo (sem querer), dá duas garrafas de urina pra dois otários beberem, promove uma guerra de travesseiros, e mostra a língua!!! Isso que é ATITUDE!!!

P!nk às vezes também se engaja em criticar a Sociedade com letras de impacto como em "Stupid Girls", mas continua sendo adorada por stupid girls and other stupids (ora, por acaso o Strike perdeu seus fãs ridículos com o hit "A Tendência"?). Mas o que fatura mais é P!nk fazer essa cara de revoltada e sair quebrando tudo que o seguro possa pagar depois, pois assim ela também ganha certificado de pessoa de ATITUDE!!!

Assim nós temos também um novo significado para rebeldia, que é "fazer cara de bravo, se dizer rebelde, quebrar/violentar algo/alguém, mas sem danos que possam processar o acusado. Se houver algum incômodo, o rebelde terá de ser rebelde em outra freguesia". Avril Lavigne faz isso, Lily Allen, Ke$ha, Lady GaGa... E o engraçado é que os Rebeldes brasileiros nunca fizeram nada disso! Muito menos o RBD, os rebeldes originais!

Rebeldia é sair da hegemonia da Vênus Platinada, fazer um Êxodo Global e se filiar ao Canal do Bispo, pra fazer uma Malhação onde as mulheres usam saia. Bem melhor, não?

A Música Pop ainda tem mais uma definição para ATITUDE!!!, que é Atitude de Filósofo. Raros artistas fazem isso, que é mostrar ATITUDE!!! pelas suas letras de impacto, e não dão escândalos, pitis e nem ganham por cima de sua imagem. E quem faz isso hoje em dia? Hoje em dia... ahm... deixe me ver... ninguém. Sabe, as pessoas não querem pensar na vida e nem fazer rebeliões, por isso artistas como Gabriel, O Pensador, Jay Vaquer, O Rappa, F.U.R.T.O ou Legião Urbana estão mortos... e o último da lista é sério. Esta aqui abaixo por exemplo, foi morrendo aos poucos...


Agora ela anda fazendo cover de Roberto Carlos, fazendo música pop e dizendo que é foda. E antes ela dizia que não era como uma artista qualquer que se preocupava mais com a aparência do que com a música que fazia, já que buscava passar mensagens e fazia tudo isso sendo honesta e blá blá blá... Mas parece que ela foi mudando de ideia com o tempo e hoje toca um Pop Rock medíocre e descartável. Hoje com o "Sou Foda", quer dizer, "Me Adora", Pitty tem tanta atitude como Avril Lavigne, que também dizia se engajar em letras pensantes, e foi mudando sua sonoridade junto com a sua cabeça... Pra quem dizia no passado que não se importava com a aparência, as duas traíram muito bem seus conceitos. Claro que todo mundo esperava uma coisa dessas de Avril, mas de Pitty...

Então este autor chegou a um veredito, analisando todos os casos e falará o que ele acha que é atitude: "Ser espontâneo e verdadeiro em ideias e ações, a fim de não querer ser prestigiado, mas tão apenas querer sentir realização pessoal". Desse jeito a pessoa é mais digna de ser prestigiada, ironicamente não querendo atenção. A vida é assim! Pra pegar borboletas com a rede, é preciso que elas venham até você...

Isso significa que 99% dos artistas pop não tem atitude segundo a concepção deste autor, e sobre Pitty... se ela está no caminho do pop agora porque quer, quer dizer que ela já teve mais ATITUDE!!! no passado!

***
Este post usou 15 "atitudes" em caps lock e com pontos de exclamação. Será que ele tem atitude por isso?

19/08/2011

Os deuses imperfeitos

Vamos fazer uma enquete: quantos de vocês gostam, admiram, pagam pau ou queriam ir pra cama com as seguintes pessoas?















Bom, talvez vocês desgostem de um ou outro e também não queiram ser comidos por um ou outro... mas pelo Kurt vocês querem que eu sei! mas todos devem concordar que todos estes são ou foram grandes artistas que foram de suma importância para o mundo do Rock. Foram estes e outros que eternizaram o famigerado estilo hedonista e fantástico do "Sexo, Drogas e Rock and Roll". Um estilo de vida em que você pode fazer o que quiser para se divertir e viver como se não houvesse amanhã, sem responsabilidades, deveres, nada além de tocar sua música e viver como bem quer. Esse estilo de vida é tão cultuado que muitas pessoas o querem pra si e o consideram como o melhor jeito de se levar a vida. Quem não ia querer ter a vida deles, não é mesmo? Por isso estas pessoas acima são cultuadas pelos rockers, por serem boas representantes do Estilo de Vida Rock and Roll.

E como se não fosse o bastante, os fãs ainda adoram tudo que os rockstars fazem e sempre os defendem, e não agem muito diferente dos fãs da Música Pop ou de qualquer outro estilo de música. Fã é fã independente do seu time. O ponto é que nessa idolatria, os fãs esquecem que seus ídolos são humanos, com falhas, imperfeições, que muitas vezes não podem servir de exemplo pra alguém - ou pra ninguém.

Podemos dizer que é comum os fãs reconhecerem certo artista agiu de modo errado ou coisa parecida, mas na grande maioria das vezes esse julgamento só é feito depois que tal artista fez uma coisa fora do seu habitual, como ter feito um trabalho aquém da expectativa, ter dado uma declaração um tanto divergente, ou ter feito algo na sua vida pessoal que gerou rebuliço. O caso é que se nenhuma dessas coisas acontecer, não aparece ninguém para falar sobre tal artista que está usando drogas, ou de um marmanjo que faz sexo desprevenido, ou de uma criatura que arruma muitos problemas que atrapalham na sua vida pessoal.

Quer ver como é verdade? Quantos aqui tem coragem de dizer que o amado virtuose precursor de quase tudo referente à guitarra Jimi Hendrix era um alcoólatra viciado inconsequente e promíscuo? Tanto faz se ele fez grandes obras e influenciou inúmeros artistas, o que importa é que sua vida não era e não é exemplo pra ninguém. Todos se esquecem que foi seu amado Estilo de Vida Rock and Roll que o matou, assim como com os outros rockstars mostrados acima que podem chegar a ser piores que Hendrix, até. Aliás, como alguém pode gostar do estilo de vida de Kurt Cobain? Por que tem tantas menininhas que queriam dar pra ele nesse jogo doentio de idolatria e necrofilia? "Porque ele é bonito, ele tem esse estilo deprê que é muito fofinho e... ah meu, tanto faz, ele é lindo! Dá vontade de acabar com a tristeza dele, se é que vocês me entendem! kposakspoa".

Por fim, não é nada bonito admirar uma pessoa que não tem amor pela vida suficiente para não se cuidar, que se afunda nas drogas e vive numa vida promíscua que só dá uma alegria superficial e passageira, além de nenhuma auto-estima e satisfação pessoal duradoura. Isso atrapalha sua carreira profissional e mais ainda a vida pessoal, além de mostrar um profundo irresponsabilidade, falta de bom-senso e até egoísmo. Por que egoísmo? Porque o rockstar não se importa com os fãs, com os familiares, com os amigos, nem com qualquer pessoa que deseja o bem dele, que deseja que ele continue bem e vivo para levar felicidade a todos que o admiram e prestigiam seu trabalho e sua própria personalidade. Não há nada de belo em admirar uma pessoa que tem gosto pela morte desse jeito.

Já estava mais do que na hora desta Bíblia dizer isso: o tão cultuado Estilo de Vida Rock and Roll é auto-destrutivo, e a ideia de que ele é bom é totalmente utópico. E idolatrar ou adorar alguém por seguir esse estilo de vida é ser no mínimo um sonhador mal-encaminhado. Gostar de um artista e gostar que ele se mate aos poucos simultaneamente é uma contradição terrível e aceita por muitos iludidos. Seus rockstars se divertiram muito, viveram no limite e até o ultrapassaram. Alguns estão vivos pra contar como esse período foi ruim e o superaram, já outros não tiveram a mesma sorte.

***
Reclamam muito dos ídolos que os jovens tem hoje, que cantam suas músicas de amor barato cheias de clichês e mensagens de positivismo ilusório, mas será que isso é tão ruim diante dos ídolos que temos? Gostar de morte é um problema sério.

30/07/2011

Vocação política

Se você achou o título deste artigo ruim só pela palavra "política", parabéns por sua mente envenenada. Desde que nascemos somos ensinados pelo Senso-comum a crer que o Sistema é imutável, que não precisamos lutar para concertar o que achamos injusto nem tentar corrigir o que há de errado, pois nada será mudado nem melhorado. Assim aprendemos a ser medíocres e conformistas a ponto de não querer discutir sobre coisas importantes como Política. E ter essa mentalidade e gostar de Rock simultaneamente, que é um estilo idealizador, libertário e revolucionário, é obviamente uma contradição.

Nossas bandas adoradas sempre estiveram à margem do Sistema, desprezadas pela Sociedade e mal-vistas pela Mídia. Desde que o Rock não era Rock, O Blues era discriminado por ser um estilo tocado essencialmente por negros, e antes disso a Música Gospel americana era cantada por escravos que aspiravam por liberdade. Muito tempo depois o Rock and Roll foi um soco no estômago dos conservadores; o Rock Psicodélico que foi trilha-sonora do Movimento Hippie deu voz a um movimento contra-cultural inigualável, como o Movimento Punk tempos depois que lutava contra o Sistema. Depois tivemos bandas de Rock e Metal que sobreviviam sem ajuda da Mídia, bandas de protesto cantando ideais de liberdade de expressão, perda de valores tradicionais, direitos iguais, etc. Vários estilos surgiram no decorrer do tempo, cada um com sua forma de pensar, mas a maioria sempre teve uma voz que ficava do lado das pessoas, ao invés do poder maior, o Sistema. Em termos políticos, o Rock sempre foi essencialmente de esquerda.

Uma coisa importante para entender é o que é Esquerda e Direita na Política. Esquerda é estar do lado do povo, e Direita é estar do lado do poder, do governo. O gráfico abaixo explica melhor essa relação.

A imagem está pequena pra te forçar a ampliar e ler! (troll face)

Agora que você já deve ter lido o gráfico (é bom que tenha lido!), você pode até fazer um teste consigo mesmo para ver de que lado está, porque você está em um lado. Todas as pessoas tem suas próprias ideias e vontades, portanto, uma visão de como desejam o mundo e a sociedade que vivem. Em suma, uma visão política.

Essa visão política que temos (mesmo que imperceptível) se reflete nas nossas escolhas e atos, já que nossas ações são movidas pelas ideias e pelas coisas que acreditamos. Isso quer dizer que se uma pessoa gosta de Rock, ela tem certas visões sobre o estilo e sobre as pessoas que o ouvem...

Vamos tomar como exemplo este autor que vos fala, que tem a mente esquerdista. Ele não é conservador, por isso não tem preconceitos, não faz discriminações, gostaria que todos tivessem os mesmos privilégios e condições de vida, entre outras coisinhas. Já em relação ao Rock ele:
  • Quer que todos possam conhecer e ter acesso a esse estilo,
  • Não acha que precisa ter uma idade ou nível de maturidade pra conhecê-lo,
  • Acredita que todos podem aceitá-lo independente de nacionalidade, raça, sexo, ou qualquer outra particularidade ou ideologia,
  • Não se importa de novas pessoas quererem conhecê-lo - e até dá mais atenção aos novatos,
  • Aceita que uma pessoa goste de Rock e outros estilos musicais,
  • Não se prende a ideias de como uma pessoa deve ser para combinar com seu estilo musical,
  • Prefere compartilhar conhecimentos do que guardar para si,
  • E gosta que as pessoas tenham o acesso mais facilitado a esse estilo, e por isso não gosta que ele seja escondido pelo Sistema.
A Bíblia do Rock é esquerdista porque seu autor é assim, e seu objetivo é levar a mensagem do Rock a todos segundo suas ideias. Talvez isso seja difícil pra alguns rockers e headbangers mais experientes do meio, que depois de tantos anos no meio vê o seu estilo querido ser acobertado cada vez mais pelo mundo e estar vivendo entre tantas pessoas que só ouvem coisa ruim. Essa é a típica mente de um extremista, tr00, mente-fechada, ou um direitista do Rock. Suas ideias são que:
  • Apesar de ser um bom estilo, as pessoas não precisam ter acesso a ele,
  • A pessoa precisa de uma certa maturidade e mentalidade para entendê-lo e gostar dele,
  • Acredita que o Rock é um estilo essencialmente masculino, bem feito por estrangeiros e direcionado para brancos (já que os negros podem ficar com seus Raps, Funks, Pagodes, e as mulheres podem continuar ouvindo Pop e Dance),
  • Não aceita que novas pessoas tentem ouvir Rock, já que estas não entenderiam sua mensagem verdadeira e acabaria por distorcê-la,
  • Acha improvável que uma pessoa que goste de Rock goste de outros estilos, e se gosta, não gosta de Rock de verdade,
  • Acredita que a pessoa deva respeitar certas tradições e fazer algumas coisas pra continuar ouvindo-o,
  • Gosta de se sentir privilegiado por ouvir o estilo, eu por isso não costuma dividi-lo com os outros,
  • E gosta que o Rock seja underground, pois se não várias pessoas que não merecem ouvi-lo tem acesso a ele.
Este autor sabe que ultimamente o que mais existe são rockers com essa mentalidade (este autor também já a teve), e como bom esquerdista, ele condena esta atitude de superestimar o Rock a ponto de colocá-lo acima de tudo. Sua mentalidade o faz interpretar as coisas desse modo, e suas ações são reflexo disso. Por exemplo a Bíblia do Rock, que serve para espalhar a palavra dele.

A questão que esse artigo levanta é que nós gostamos de um estilo - como dito antes, idealizador, libertário e revolucionário que luta por ideais firmes e tudo mais... mas seus adoradores são muito desleixados!

Qual foi o último grande movimento que os rockers fizeram ou organizaram? Qual foi o última grande luta que estiveram ou o protesto que incomodou os ouvidos do senhores da terra? Dizem que o Espírito do Rock não morreu, mas ele não vem se manifestando nesses últimos tempos. É muita ingratidão gostar de um estilo e não fazer justiça ao seu legado e à sua história, pois diferente dos outros estilos musicais, este literalmente fez barulho, influenciou gerações e mudou a história humana. Atualmente ele está tão apagado para o mundo quanto o interesse das pessoas em fazer algo para mudá-lo. Será que é justo? É tão injusto e contraditório quanto comprar uma camisa com a estampa de Che Guevara!

Ideologia vendida não funciona.

Este autor agora está condenando a todos que estão lendo este texto por não estarem por uma guerra contra tudo? Sim, está, mas não está dizendo para fazerem isso mesmo. Se este autor tivesse o poder influenciar todos a fazerem algo ele seria a Mídia, e ninguém que lê este site é influenciável (pelo menos na teoria). O caso é que no final, cada pessoa vai fazer o que acha melhor pra si mesma e com sorte, melhor para as pessoas a sua volta, e as unidades não formarão um todo. Alguns vão querer mudar algo, outros vão ser conformados e não lutar, outros esperarão que outros façam seu trabalho, outros não darão a mínima, enfim.



"Não importa o que façamos, cada um terá uma visão diferente. É fantástico como as pessoas sempre têm idéias melhores... para elas. Só que elas precisam saber se suas idéias são melhores para todo mundo."
Paul Stanley



Se você quer reclamar de algo que você mesmo poderia tornar melhor, mas não faz nada para tal, reconheça-se como um hipócrita e viva feliz. Este autor que vos fala também poderá se assumir um hipócrita ou um simples desleixado eventualmente, mas tenta fazer o que acha melhor para si e para os outros. No momento sua luta é espalhar a palavra do Rock, e através dele, mudar a cabeça das pessoas. E como dizem que para salvar o mundo deve-se salvar as pessoas primeiro...

24/07/2011

O que pensar?

Em 23 de julho a cantora de Jazz e Soul Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa. Isso foi uma tragédia para a música contemporânea, e também fez grande diferença no mundo do Rock. Isso se deve pelo fato de Amy ter falecido aos 27 anos, a mesma idade em que grandes artistas morreram.

Por causa dessa coincidência, muitos pensaram se Amy Winehouse poderia estar em Valhalla, já que a Maldição 27 só afeta os guerreiros de Deus Metal. E rapidamente todos pensaram que características que fariam de Amy uma rockeira honorária como Bob Marley:
  • Amy era uma pingunça drogada;
  • Cantava Jazz, um dos estilos originários do Rock;
  • Era consagrada pela música mundial;
  • Muitos artistas rockers a admiravam (que prestaram condolências à família e aos amigos da cantora após o ocorrido);
  • E claro, morreu aos 27 anos.
Talvez muitos não a aceitem como uma valquíria honorária por ela ser conhecida mundialmente, ou em outras palavras, ser mainstream, e seu habitat natural ter sido na Música Pop. Mesmo que seu estilo não fosse um eletro-pop fajuto típico de Ke$ha, ela também ficou mais famosa pelos seus escândalos e vexames, como uma Britney Spears da vida. Isso já pode ser suficiente para considerar Amy uma serva de Lilith...

Mas então o fato dela ter morrido aos 27 anos seria apenas uma coincidência? Ou Lilith a atacou como fez com os outros de Discípulos de Deus Metal? Qual a conclusão? A cantora Pop do Jazz adorada por ambos os mundos merece estar no colo de Odin ou de Lilith?

13/07/2011

Placas motivacionais

Longa vida ao KISS, os verdadeiros precursores do Black Metal.

HammerFall consegue encarar o Rhapsody em termos épicos.

Por que não tem uma música do Manowar chamada "Kamehameha"?

E Jesus é rocker também. Ele ouve Testament, Kreator, Dio, Metal Church, AC/DC... só não gosta de Sodom e Judas Priest.

Eles tem a força, mas não são heróis.

Será que tem hentai da Lady GaGa? Eu sei que teve mangá do RBD...

Banda com tema medieval e som futurista... as piores piadas a gente tem que explicar.

E Running Wild traz a glória pirata desde 1976.

Também, né... Dio é deus.

Frases de caminhão também são legais.

Ou será que já dominaram?

Ou não.

E enriquecendo funerárias desde 1973 também.

E aprovados por Deus Metal! Viu como é bom ser poser?

Da série "vai se fuder quem ficou irritadinho".

Agora inventaram de fazer versão miniatura das popstars!

Por que as mulheres não querem mais saber de vagabundos feios drogados e mal-cheirosos?

Como assim, você não sabia que ele é seu avô também?

Os shows de Steve Vai deveriam ter classificação indicativa.

William Godwin deve estar decepcionado.

Por que as operadoras de celular não fazem promoções especiais pros rockers?! Só por que teriam que fazer também um plano mais barato pra ligar de índio pra índio?!

Tolkien não aprova o resumão que o Blind fez de seu livrinho de cabeceira.

Essa mania de tocar instrumento parecido com guitarra é foda.

Se você não gosta de Guitar Hero, ele é um merda e ponto final.

Na intenet ela são muitas, já na vida real, nos shows, nos "rolêzinho"...

"O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação."
Romanos 4:25

Nem ele acredita no ponto de vista que falou antes... não tanto!

Quem diz que esse troço é Punk definitivamente não sabe nada sobre esse movimento.

Hoje as calças das crianças que são apertadas e cor de rosa.

Este autor pede desculpas a todos os fãs de Van Canto... todos vocês três ae.

Ele só tá meio bronzeado nessa foto...

Uma vez bullynado, sempre bullynado! E ainda sobra pra mulher...

Provas é o que não falta. E ele também era socialista! #ChupaDireita

NÃO GOSTOU? FODA SE SEUS COLORIDOS

Exemplo de estratégia de marketing bem-sucedida. Outras bandas já não precisam de mascotes, como o KISS - os integrantes são seus próprios mascotes.

Basta gostar de Rock e ser milionário - nesse caso, também gênio, playboy e filantropo.

Em homenagem ao Tributo à Legião Urbana realizado pela MTV.

E também fazer soltar relâmpagos do braço da guitarra.

Quem compra discos hoje em dia? 

Ambos são brasileiros e se dizem filhos de deus. 

Perdoai-lhes, eles não sabem o que dizem.

Roqueiro que acha que deve-se odiar estilos hereges pra ser rockeiro ainda tem muito pra aprender.

Essa a Igreja Universal tem que denunciar.

Se a banda for mais pesada que Slayer, já é Black Metal e é de Satan, com certeza.